Publicado por: Jerusa Hara | 25/03/2010

O mercado de feiras

Outro dia fui a uma palestra sobre como participar de uma feira de negócios. Apesar de estar nesse mercado há algum tempo, achei importante saber o que as pessoas dizem sobre o assunto. O momento é excelente para o setor; vemos notícias sobre feiras quase diariamente. Começaram a surgir cursos sobre eventos e as empresas têm procurado por especialistas no assunto para reforçar suas áreas de marketing. Eu estava curiosa em saber como os profissionais do futuro estão sendo preparados para atuar nesse segmento.

A palestra foi meio óbvia. Na verdade foi um evento para promover determinado curso, mas nem é isso o que importa. O que percebi é que ainda existe um grande corporativismo no setor. O palestrante, promotor de feiras, lá pelas tantas, defendeu o modelo atual praticado pelas promotoras tradicionais. Para mim é uma grande contradição: será que se falaria tanto em profissionalização, criaria-se cursos, se esse modelo fosse realmente eficiente? Colocar na cabeça de alunos que a tradição da promotora, a divulgação nas principais mídias do setor e os dados da última edição são fatores determinantes para participar de uma exposição, é uma forma de transferir o medo do novo que assombra os coronéis das feiras para os jovens profissionais de eventos.

Vejam: as revistas especializadas dependem muito das feiras para aumentar sua base de anunciantes e leitores; logo, não são eles os principais responsáveis pela visitação. Quem frequenta feiras deve ficar estarrecido com a ausência de importantes players em alguns eventos tradicionais, tanto expondo como visitando. Muitos dados divulgados por aí não se sustentam perante uma matemática básica. É bom lembrar que, em marketing, nenhuma ação possui garantia de retorno. Para basear a decisão em estatísticas, a fonte dos dados precisa ser correta. Então, o que é importante para entrar em uma feira?

A resposta é: a visitação. Como a promotora pretende atrair o comprador? O que essa feira tem de diferente para fazer um profissional ocupado pegar trânsito e ir até o pavilhão? Qual a importância da feira para o setor em que atua? Os profissionais por trás do evento sabem promovê-lo? Estão antenados nos novos hábitos e necessidades dos visitantes? Aliás, eles sabem quem é o visitante ideal? E acima de tudo: existe alguma opção com melhor relação custo-benefício para atingir os objetivos no mesmo prazo?

A base de todas as ações é o planejamento. Porém, oportunidades não programadas podem surgir a qualquer momento. É preciso ter coragem para não perdê-las.

Anúncios

Responses

  1. Realmente a tradição da promotora e os dados da última edição não querem dizer nada. Se a empresa tem tradição, mas está sempre inovando, ok, mas normalmente as promotoras brasileiras tratam feiras da mesma maneira que tratava o Sr. Alcântara Machado em sua primeira feira brasileira!!!
    E os números então? Tendo trabalhado com isso em uma promotora tradicional, sei muito bem que eles são aumentados todos os anos.
    As NOVAS questões que o expositor do século XXI deve fazer são essas mesmo do seu penúltimo parágrafo, Jerusa.
    Parabéns pelo texto!

  2. Ótimo trabalho. Ótima profissional.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: